“Síndrome do Sindasa”

Sindasa em 2010 (Manifestações para o PCR)
Sindasa em 2010 (Manifestações para o PCR)

O movimento União AGANP está encontrando muitos entraves na sua expansão.

Um deles é a quantidade de pessoas que temos que mobilizar. Somos mais de 5mil e devemos cada um de nós espalhar o movimento para as pessoas.

Isso acontece, mas não é o mais problemático.

Mais principal problema é o que podemos chamar de “Síndrome do Sindasa”.

O Sindasa surgiu com a união de vários líderes da nossa categoria. Ente eles o Thiago Vilar, que foi importantíssimo, o Luciano Tostes, que contribuiu com outra Associação, e o Carlos Eduardo, o líder do movimento dos reservas, também muito bem conhecido, e o Rodrigo, líder na Superintendência de Gestão Estadual (SGE).

A traição veio na aprovação do PCR. Com Assembleia Legislativa (ALEGO) lotada de pessoas de vários órgãos, não somente da Sefaz, pedimos a aprovação de um reajustes no nosso vencimento e a valorização que tanto merecemos.

Sindasa em 2011 (pós AR)
Sindasa em 2011 (pós AR)

O que o Sindasa negociou foi outra coisa: a diminuição do valor do PCR, que era para todos, em trocar de uma incorporação do chamado AR, somente para alguns. Enquanto os demais teriam um “reajuste” no vencimento de R$ 16,00 e R$ 32,00 reais parcelados, quem foi beneficiado pelo AR passou a receber imediatamente remunerações que foram de R$ 7mil a R$ 11 mil reais.

 

O Thiago e o Luciano se desligaram automaticamente do Sindasa, e protestaram imediatamente contra isso. Já Carlos Eduardo e Rodrigo, passaram a receber AR e nenhum palavra do “sindicato” Sindasa foi dita sobre isso.

A rasteira foi grande? Isso é certeza. Estamos humilhados com essas dezenas de reais a mais? Sem dúvida. Mas devemos ficar no chão? Devemos desistir?

É preciso unir a classe novamente. Como era quando começamos. É necessário ter confiança novamente. Nossa resignação é a arma daqueles que praticam o mal:

“Para o mal prevalecer, basta que os bons não façam nada.” – Edmund Burke

O movimento União AGANP tem em seu maior obstáculo trazer novamente a confiança das pessoas na união da categoria.

Precisamos superar para nos erguermos. Tanto em moral, quanto em valorização.

Flávio Coutinho
União AGANP

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*